quinta-feira, 16 de abril de 2009

A Força do Olhar


Segundo a História, o senador Publius Lentulus, designado pelo Senado romano para investigar o fenômeno Jesus Cristo na Palestina, Judéia e Samaria, destacou no seu relato, entre outros aspectos, a intensidade do olhar de Jesus. Segundo ele, “seu olhar era de um azul tão intenso que ninguém poderia fitá-lo de frente durante muito tempo”. Publius fora enviado pelo Senado romano para decifrar o fenômeno Cristo em razão das pouquíssimas informações que chegavam ao Senado a respeito de Jesus. O poder naquele tempo, na Roma dos Césares, era dividido entre a Corte e o Senado. Tendo seu próprio sistema de investigação, não interessava ao governo deixar o Senado bem informado. Afinal, o Senado era um órgão limitador do poder do Imperador da época. Assim, sem informações confiáveis, decidiu o Senado, por conta própria, enviar um dos seus membros para analisar o fenômeno Cristo.

Conta a História, que Publius Lentulus assistiu anônimo o “Sermão da Montanha”. E ficou admirado com o discurso de Jesus. Segundo ele, o Cristo “dizia muitas coisas certas, porém pecava gravemente quando afirmava que perante Deus (o Deus de Jesus) todos os homens eram iguais”. Ora, tal afirmativa batia de frente com a realidade romana de então, que dividia os homens em castas bem separadas entre si, constituídas de nobres, plebeus e escravos – uma visão, portanto, separatista, totalmente diferente da defendida por Jesus. Mas voltemos ao olhar, à força do olhar. O termo olho vem do grego “ophtalmós”, daí derivando-se o verbo olhar, como também o substantivo. O enviado de Roma, entre tantos outros detalhes interessantes que viu em Jesus, destacou em seu relato o olhar. Realmente, Jesus se utilizou em inúmeras ocasiões do magnetismo do olhar para manifestar suas emoções.

Ao longo da história, além do olhar de Jesus, outros olhares ficaram muito famosos. O de Beth Davis, uma das divas do cinema dos anos 40, por exemplo, exalava maldade e suspense; o de Hitler inspirava intranqüilidade e apreensão; o de Greta Garbo, de tão eloqüente pelo que dizia, tornou-se inesquecível até hoje; o da Mona Lisa, de tão enigmático, intriga a todos que se postam diante dele. Verdadeiramente, muitas palavras, através do olhar, podem ser ditas – silenciosamente. E sua essência pode significar: orgulho, altivez, piedade, sonolência, desejo, vigilância, generosidade, insensibilidade, ganância, e uma série de sentimentos semelhantes. Jesus dava uma importância muito grande ao olhar. Em Lucas, capítulo 11, versículo 34, ele ressalta que “são os teus olhos a lâmpada do corpo; se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo será iluminado; mas, se forem maus, o teu corpo ficará em trevas”.  

A grande diferença entre o olhar dos homens e o de Jesus é que o dele exala amor. E um dos momentos da comprovação deste fato foi durante a tortura a que Jesus foi submetido na fortaleza de Pilatos. Pedro estava presente. Em determinado instante, quando o galo cantou – depois de ter negado a Jesus por três vezes – o olhar do Mestre se cruzou com o do apóstolo. O relato bíblico diz que Pedro, após o olhar, “saindo dali, chorou amargamente”. Porque foi de choro a sua reação? Porque não foi de ódio? Pelo amor expresso no olhar de Jesus. Não há ato violento, mesmo o mais agressivo, que resista a um olhar de amor. Pedro ficou desorientado. E desandou a chorar. Esperava um olhar de ódio. Em troca, recebera um olhar carregado de amor. A intensidade do olhar de Jesus modificou a sua vida. E o choro foi o reconhecimento de que fora perdoado. O mensageiro? Um simples olhar – um olhar cheio de amor.  

 Públio José – jornalista

Nenhum comentário: